Estratégia de RH, Coaching Executivo, Coaching de Liderança, Estratégia de RH São Paulo, Estratégia de RH Florianópolis, Estratégia de Recursos Humanos, Desenvolvimento de Liderança, Desenvolvimento de Liderança São Paulo, Desenvolvimento de Liderança Florianópolis.

O Líder e o Equilíbrio (Emocional) – Parte 2

No artigo anterior, discorremos sobre a importância do equilíbrio das decisões. Neste, trataremos da inteligência emocional que deve apresentar o líder de sucesso, ao lado do exemplo e da escuta ativa.

Resumidamente podemos dizer que Inteligência Emocional é a capacidade ou habilidade demonstrada por alguém que identifica suas próprias emoções, consegue gerenciá-las, além de conhecer as emoções dos outros e de também gerenciá-las. Além disso, quem demonstra um bom nível de Inteligência Emocional mantém-se motivado para a realização de seus objetivos.

Podemos dizer que, se eu me conheço, posso me gerenciar. Se conheço os outros, sou capaz de gerenciá-los. Se faço tudo isso com eficácia, também posso motivar-me e motivar os demais.

Em primeiro lugar é preciso reconhecer que a manifestação das emoções é um hábito. Aprendemos a expressar nossas emoções de acordo com nosso ambiente familiar e cultural.

Em segundo lugar, emoções servem para que alcancemos determinado propósito. A criança expressa sua raiva, frustração, para tentar convencer o adulto de que o que quer lhe deve ser concedido. Pais que colocam limites adequados aos desejos de seus filhos contribuem enormemente para seu amadurecimento emocional. Queremos dizer, portanto, que é possível treinar a manifestação de nossas emoções.

Uma pessoa focada em resultado pode expressar suas emoções apenas quando essas proporcionarem o que almeja.

Para um líder, a inteligência emocional é fator de sucesso próprio e de seu time, ou será que alguém pode acreditar que um chefe destemperado, raivoso e ofensivo consegue resultados duradouros e de qualidade?  Essa é uma impossibilidade, pois ao fazer com seus subordinados se sintam ameaçados, ridicularizados ou ressentidos, dispara neles a ação cerebral mais antiga de nossa raça, que é de bater ou correr. Embora não haja mais feras em abundância, nosso sistema antigo de defesa continua a interpretar ameaças e reagir da mesma maneira que reagia no homem das cavernas: lança uma quantidade de adrenalina no sangue, fazendo com que ele se concentre nos membros para fugir ou lutar.

Nesse estado mental de luta ou fuga, o indivíduo não estará apto a realizar ações que exijam concentração e objetividade. Consequentemente, o chefe agressivo obtém resultados inferiores, se é que os alcança.

Um líder com adequado domínio de suas emoções se mantém focado na meta a ser atingida. Ele não é impassivo ou frio. Ele é emocional e demonstra sua emoção se ela for capaz de lhe trazer o que pretende.

Daniel Goleman em 1995 trouxe a público um conceito de Inteligência Emocional, cunhado por Peter Salovey e John Meyer (de 1990).

Estratégia de Recursos Humanos, Desenvolvimento, Coaching de Liderança Executivo

Para Goleman, há 5 elementos formadores da Inteligência emocional:

Autoconhecimento: saber os sentimentos pessoais e utilizar esses sentimentos para tomar decisões com equilíbrio;

Gerenciamento do Humor: gerenciamento do humor de forma que ele não interfira com objetivos e tarefas que devem ser executadas;

Motivação: Ter senso de propósito, razões para realização e resiliência na adversidade;

Empatia: saber o que os outros sentem e ser capaz de se adaptar à perspectiva deles; e,

Habilidade Social: ter a habilidade de gerenciar emoções e relacionamentos.

No próximo artigo vamos tratar mais especificamente sobre cada um desses fatores da Inteligência Emocional, fundamentais para o exercício de uma liderança positiva e de resultados.

Leave a Reply