Competência Essenciais ao Coach

Neste artigo vamos discorrer sobre as competências essenciais ao Coach.

De acordo com a ICF – International Coach Federation – são onze as principais competências de um Coach.

Aqui apresentamos um resumo dessas competências, de forma que o leitor, interessado em empreender uma carreira como coach ou utilizar serviços de um profissional, possa entender a complexidade de suas atividades, a necessária formação, a experiência a adquirir para o exercício eficaz do coaching.

Ética

Entender os princípios éticos do coaching e aplica-los em todas as situações de trabalho.

Comunicar claramente que coaching não se presta a terapia e distinguir o que é coaching de consultoria, de psicoterapia e outros recursos disponíveis.

Estabelecer o contrato de coaching

Compreender e discutir com o cliente os parâmetros do coaching, seu processo e o relacionamento (logística, honorários, horários etc.)

Alcançar entendimento sobre o que é apropriado no relacionamento e o que não é, o que está sendo oferecido, além das responsabilidades do Coach e Coachee.

Estabelecer confiança com o Coachee

Demonstrar interesse genuíno pelo bem-estar e futuro do Coachee.

Demonstrar continuamente integridade, honestidade e sinceridade.

Estabelecer acordos claros e manter as promessas.

Presença

Estar presente e flexível durante o processo de coaching.

Observar as muitas maneiras de trabalhar com o Coachee e usá-las no momento adequado.

Usar eficazmente o humor e gerar energia.

Comunicação Efetiva

Atender aos interesses do cliente e não à sua própria agenda.

Escutar as preocupações do Coachee, seus objetivos, valores e crenças sobre o que é ou não possível a ele.

Distinguir entre as palavras, o tom de voz e a linguagem corporal.

Resumir, parafrasear, explorar e reiterar e espelhar o que o cliente diz para assegurar clareza e entendimento.

Integrar e construir sobre as ideias e sugestões do cliente.

Questionamento poderoso

Habilmente fazer perguntas para revelar a informação necessária para o máximo benefício da relação de coaching e do Coachee.

Efetuar questões que reflitam a escuta ativa e a compreensão da perspectiva do Coachee.

Perguntar o que evoca descoberta, “insight”, compromisso ou ação (por exemplo, que desafie as assumpções do cliente).

Efetuar questões abertas que criem grande clareza, possibilidades ou novos aprendizados.

Questionar o que move o cliente em direção aos seus desejos, não questões para que o cliente justifique ou olhe para o passado.

Comunicação direta

Habilidade de comunicar-se efetivamente durante as reuniões de coaching e usar a linguagem que gere o impacto positivo mais forte no cliente.

Ser claro, articulado e direto em dar feedback.

Ajudar o Coachee a entender sob uma nova perspectiva o que ele quer ou está incerto de querer.

Claramente afirmar os objetivos do coaching, a agenda das reuniões e o propósito das técnicas e exercícios.

Usar linguagem apropriada e respeitosa com o cliente.

Usar metáforas e analogia para ajudar a ilustrar um ponto ou pintar uma imagem verbal.

Gerar consciência

Ser hábil para integrar e avaliar as várias fontes de informação e fazer interpretações que ajudem ao Coachee ganhar consciência e alcançar os objetivos concordados.

Ir além do que é dito ao avaliar as preocupações do Coachee, não ficando preso à descrição do cliente.

Perguntar para melhor entendimento, consciência e clareza.

Identificar pelo cliente as preocupações subjacentes, típicas e maneiras fixas de perceber-se e entender o mundo, as diferenças entre os fatos e suas interpretações, além de discrepâncias entre pensamentos, sentimentos e ação.

Auxiliar o Coachee a descobrir por ele mesmo novos pensamentos, crenças construtivas, percepções, emoções, humores etc. que fortaleçam suas habilidades de agir e alcançar o que é importante para ele.

Ajudar o cliente a ver os diferentes fatores inter-relacionados que o afetam e influenciam seu comportamento.

Questionar o Coachee a distinguir entre temas triviais e significativos, situacionais e comportamentos recorrentes, quando detectar uma separação entre o que está sendo afirmado e o que está sendo feito.

Designando ações

Fazer “brainstoms” e auxiliar o Coachee a definir ações que possibilitem demonstrar, praticar e aprofundar novos conhecimentos.

Auxiliar o Coachee a focar e sistematicamente explorar ações específicas e oportunidades que são centrais para os objetivos acordados no coaching.

Engajar o Coachee em exploração de ideias e soluções alternativas, avaliar opções e tomar decisões consequentes.

Promover experimentação ativa e autodescobrimento, onde o Coachee aplica o que está sendo discutido e aprendido durante as reuniões imediatamente após em seu trabalho e na vida diária.

Celebrar o sucesso do cliente e suas capacidades para futuro crescimento.

Advogar ou trazer novos pontos de vista que sejam alinhados com os objetivos do Coachee e, sem apegos, engajar o cliente a considera-los.

Ajudar o cliente ‘a fazer agira” durante as reuniões de coaching dando o apoio necessário.

Encorajar a desafios maiores, mas também propiciar um ritmo confortável ao aprendizado.

Planejamento e definição de objetivos

Consolidar as informações coletadas e estabelecer um plano de coaching e de objetivos de desenvolvimento com o Coachee que se relacionem a preocupações e áreas importantes para aprendizado e desenvolvimento.

Criar planos de ação que sejam específicos, mensuráveis (observáveis), alcançáveis, relevantes e com tempo definido para conclusão.

Fazer ajustes nos planos como garantido pelo processo de coaching e pelas mudanças de situação.

Ajudar o Coachee a identificar e acessar diferentes recursos para aprendizado.

Identificar e criar objetivos de sucesso rápido que sejam relevantes para o Coachee.

Gerenciamento do processo e da responsabilidade

Requerer com clareza ações do cliente que o moverão em direção aos seus objetivos estabelecidos.

Demonstrar total acompanhamento perguntando ao Coachee sobre as ações a que ele se comprometeu tomar nas reuniões anteriores.

Reconhecer o que o cliente fez, aprendeu ou se tornou consciente desde as reuniões anteriores.

Mantém o cliente na rota entre as reuniões, mantendo atenção no plano de coaching e nos resultados, nas ações acordadas e tópicos para futuras reuniões.

Foca no plano de coaching, mas é também aberto a ajustar comportamentos e ações baseadas no processo de coaching e em mudanças de direção durante as reuniões.

Promove a autodisciplina e mantém o cliente responsável pelo que ele diz que fará, pelos resultados de uma ação comprometida, ou por um plano de ação específico com relação aos prazos.

Desenvolve a habilidade do Coachee de tomar decisões, resolver questões importantes, desenvolver-se ou aprender a refletir e aprender das experiências.

Confronta de modo positivo o Coachee, quando este não toma as ações a que se comprometeu.

Bem, o leitor pode por essas tantas características entender um pouco melhor o que pode esperar do processo de coaching. E com isso, também saber buscar um profissional que atenda suas expectativas para atingir seus objetivos.

Leave a Reply