Estratégia de RH, Coaching Executivo, Coaching de Liderança, Estratégia de RH São Paulo, Estratégia de RH Florianópolis, Estratégia de Recursos Humanos, Desenvolvimento de Liderança, Desenvolvimento de Liderança São Paulo, Desenvolvimento de Liderança Florianópolis.

O Líder e o Equilíbrio Emocional – Parte 3

Encerramos o artigo anterior citando as cinco características de quem possui Inteligência Emocional, de acordo com Goleman, importantes para qualquer ser humano maduro, que queira alcançar seus objetivos e essenciais para um líder.

Abaixo elencamos algumas características dos elementos da Inteligência Emocional. Cada um deles merecerá, em breve, uma análise mais aprofundada.

Autoconhecimento

  1. Ter clareza quanto à conexão entre o que sente e pensa;
  2. Estar consciente de como suas emoções afetam sua performance;
  3. Ter capacidade de buscar e receber feedback;
  4. Decidir, mesmo em momentos de incerteza.
  5. Autogerenciamento
  6. Manter o foco no resultado a alcançar, mesmo sob pressão;
  7. Responsabilizar-se pelos próprios erros;
  8. Adaptar sua resposta às circunstâncias;
  9. Ter pontos de vista flexíveis.

Conhecimento do outro

  1. Ter e demonstrar sensibilidade à perspectiva alheia;
  2. Buscar maneiras de aumentar a satisfação dos outros;
  3. Reconhecer e manifestar-se sobre as qualidades dos outros;
  4. Ver diferenças como oportunidade.
  5. Gerenciamento do outro
  6. Capacidade de persuasão;
  7. Abrir-se para receber notícias boas ou ruins;
  8. Iniciativa de liderar, quando preciso;
  9. Desafiar o “status quo”;
  10. Lidar com pessoas em situações difíceis;
  11. Reconhecer e compartilhar mérito;
  12.  Adaptar-se aos diferentes públicos.
  13. Motivação
  14. Estado mental alerta para criar e agarrar oportunidades;
  15. Mobilizar os demais baseado no desafio;
  16. Resiliência, perseguindo o objetivo, apesar dos obstáculos;
  17. Atuar e liderar os outros com esperança de sucesso, ao invés de medo do fracasso;
  18.  Reconhecer que obstáculos e contratempos são circunstâncias e não defeitos.

 

Estratégia de Recursos Humanos, Desenvolvimento, Coaching de Liderança Executivo

É preciso lembrar que quase 80% da eficácia gerencial vem da presença da Inteligência Emocional, de acordo com estudo feito com milhares de executivos (Goleman, 1998, Boyatzis – Case Western University).

Vendedores que apresentam alto nível de Inteligência Emocional conseguem o dobro do sucesso em vendas em relação aos demais profissionais de vendas.

Vale lembrar também que o quociente de inteligência – QI – é importante para compreender a dimensão de um problema e buscar dados que facilitem tal compreensão. Na solução do problema, no entanto, é preciso além do QI, o quociente emocional – QE-, pois é necessário ir além da lógica e observar o impacto que a solução trará a todos os envolvidos. Por fim, para implantar a resolução é fundamental o QE.

Nas organizações humanas podemos muitas vezes notar mentes brilhantes, que apresentam um diagnóstico perfeito e detalhado de situações, mas que falham na resolução e na ação, por um QE baixo.

A boa notícia é que o QE pode ser desenvolvido. Ninguém precisa ser escravo de suas emoções e fadado ao insucesso. Como o QE representa competências e estas são fundamentalmente hábitos, podem ser mudadas ao ponto da excelência.

Uma poderosa prática para se alcançar um alto QE e sucesso é o Coaching, assunto que trataremos no próximo artigo.

Leave a Reply